Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/11375
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creator.IDTAVARES, J. A.
dc.contributor.advisor1DAMASCENO, Epifânio Vieira.
dc.contributor.advisor1IDDAMASCENO, E. V.
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8938941182991451pt_BR
dc.contributor.referee1ALMEIDA JÚNIOR, Admilson Leite de.
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7523757247282724pt_BR
dc.contributor.referee2TORRES, Victor de Saulo Dantas.
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/8481934421155452pt_BR
dc.description.resumoInerente ao convívio em sociedade, os debates são responsáveis por grandes transformações, apresentando a cada nova geração um novo mundo de ideias e de comportamentos. Dessas discussões foi dada a percepção de que cada ser humano é merecedor de ser tratado igualmente a qualquer outro humano e de que é necessário que sejam afastados todos os obstáculos a si impostos para que possa usufruir de toda a capacidade que a condição de humano pode lhe proporcionar. É importante discutir a acessibilidade urbana por causa da sensibilidade que lhe é pertinente e da transformação que pode causar na vida de pessoas que transitam em determinada região. Então, a fim de responder a perguntar “há acessibilidade nas áreas de uso comum do povo na zona urbana de Pombal, Paraíba?”, este trabalho buscou analisar quais são as normas pertinentes ao assunto e apurou qual entendimento está se dando à acessibilidade urbana e à mobilidade do pedestre. Para tanto foi observada as normas internacionais, nacionais e municipais e também como diversos autores tratam os temas como dignidade da pessoa humana, áreas de uso comum, pedestre, mobilidade e a própria acessibilidade. Em direção ao objetivo desse trabalho a pesquisa se deu de forma exploratória, a se debruçar sobre como parte variada dos autores das ciências e da filosofia abordam o tema, interpretando-os e também interpretando a cidade como ela se apresenta, sendo um trabalho qualitativo. A monografia observou os bens de uso comum, os prédios públicos e os estabelecimentos comerciais com a visão de um usuário destas áreas. Teve, dentre um dos produtos da pesquisa, o entendimento de que o legislativo do município não atua de forma efetiva em temas relativos à acessibilidade e que as áreas de uso comum do povo da cidade de Pombal pouco atende às necessidades básicas de locomoção, sendo, inclusive, um obstáculo ás pessoas que por ali trafeguem. Dessa forma, o trabalho apontou o não atendimento ao Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, bem como a falta de pleno gozo das atribuições da cidadania pelos particulares.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentCentro de Ciências Jurídicas e Sociais - CCJSpt_BR
dc.publisher.initialsUFCGpt_BR
dc.subject.cnpqDireito Constitucionalpt_BR
dc.titleA falta de acessibilidade nas áreas de uso comum do povo na zona urbana de Pombal-PB: um obstáculo à mobilidade dos pedestres.pt_BR
dc.date.issued2019-06-11
dc.description.abstractInherent in society, the debates are responsible for major transformations, presenting to each new generation a new world of ideas and behaviors. From these discussions was given the perception that every human being deserves to be treated equally to any other human and that it is necessary that all the obstacles imposed by him be removed so that he can enjoy all the capacity that the human condition can give him provide. It is important to discuss urban accessibility because of the sensitivity that is pertinent to it and the transformation it can cause in the lives of people who move in a certain region. So, in order to answer the question "is there accessibility in the areas of common use of the people in the urban area of Pombal, Paraíba?", This paper sought to analyze what the norms pertinent to the subject and learned what understanding is being given to urban accessibility and to pedestrian mobility. For that, international, national and municipal standards were observed, as well as how various authors deal with themes such as dignity of the human being, areas of common use, pedestrian, mobility and accessibility. Towards the objective of this work the research was conducted in an exploratory way, to study how a varied part of the authors of the sciences and philosophy approach the theme, interpreting them and also interpreting the city as it presents itself, being a qualitative work. The monograph observed common use goods, public buildings and commercial establishments with the view of a user of these areas. One of the products of the research was the understanding that the municipal legislature does not act effectively on issues related to accessibility and that the areas of common use of the town of Pombal do not meet the basic needs of locomotion, including an obstacle to the people who travel there. Thus, the work pointed to non-compliance with the Principle of the Dignity of the Human Person, as well as the lack of full enjoyment of the attributions of citizenship by individuals.pt_BR
dc.identifier.urihttp://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/11375
dc.date.accessioned2020-01-30T16:41:14Z
dc.date.available2020-01-30
dc.date.available2020-01-30T16:41:14Z
dc.typeTrabalho de Conclusão de Cursopt_BR
dc.subjectAcessibilidade Urbanapt_BR
dc.subjectAutonomia Humana
dc.subjectMobilidade do Pedestre
dc.subjectCity Accessibility
dc.subjectHuman Autonomy
dc.subjectPedestrian Mobility
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.creatorTAVARES, Janser Alves.
dc.publisherUniversidade Federal de Campina Grandept_BR
dc.languageporpt_BR
dc.relation.referencesABNT, NBR. 9050: 2015. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 3ª Ed. Rio de Janeiro, 2015. AGUIAR, F. de O. Acessibilidade relativa dos espaços urbanos para pedestres com restrições de mobilidade. São Carlos: USP, 2010. ALMEIDA, Yane Santana de et al. Qualidade de vida na terceira idade: a influência da arquitetura na melhoria das condições de vida dos idosos. 2016. ALVES, Mário. Mobilidade e acessibilidade: conceitos e novas práticas. Indústria e Ambiente, v. 55, p. 12-14, 2006. AMORIM, Érico Gurgel; NETA, OM MMEDERIOS; GUIMARÃES, Jacileide. A deficiência em foco nos currículos de graduação da UFRN: uma abordagem histórica (1960-2015). HOLOS, v. 2, p. 231-248, 2016. ARAUJO, Luiz Alberto David; COSTA FILHO, Waldir Macieira da. O Estatuto da Pessoa com Deficiência-EPCD (Lei 13.146, de 06.07. 2015): algumas novidades. Revista dos Tribunais| vol, v. 962, n. 2015, p. 65-80, 2015. AURÉLIO. Dicionário do Aurélio Online 2018. Disponível em: <https://dicionariodoaurelio.com/pedestre>. Acesso em: 13 de Apr 2019. BEZERRA, Luíza Cavalcanti. A natureza jurídica das calçadas urbanas e a responsabilidade primária dos Municípios quanto à sua feitura, manutenção e adaptação para fins de acessibilidade. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 17, n. 3320, 3 ago. 2012. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/22302>. Acesso em: 10 abr. 2019. BITTAR, Eduardo CB. Ética, cidadania e Constituição: o direito à dignidade e à condição humana. Revista Brasileira de Direito Constitucional, v. 8, n. 1, p. 125- 155, 2006. BRAGA, Pérola Melissa Vianna. Envelhecimento, ética e cidadania. Jus Navigandi, 2001. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 3 jul. 2018. BRASIL. Lei nº 7.405, de 12 de novembro de 1985. Torna obrigatória a colocação do "Símbolo Internacional de Acesso" em todos os locais e serviços que permitam sua utilização por pessoas portadoras de deficiência e dá outras providências.. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1980-1987/lei-7405-12- novembro-1985-367964-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRASIL. Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7853.htm>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRASIL. Lei nº 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8842.htm>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRASIL. Lei nº 10.048, de 8 de novembro de 2000. Dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10048.htm>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10098.htm>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRASIL. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRASIL. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRASIL. Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana; revoga dispositivos dos Decretos-Leis nºs 3.326, de 3 de junho de 1941, e 5.405, de 13 de abril de 1943, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e das Leis nºs 5.917, de 10 de setembro de 1973, e 6.261, de 14 de novembro de 1975; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 20 mai. 2019. BRITEZ, Marcus Vinicius Bezerra Inácio; NETO, Arnoldo Debatin. MOBILIDADE URBANA E ACESSIBILIDADE: UMA ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JOINVILLE, SC. CAMPELLO, Lívia Gaigher Bósio; SILVEIRA, Vladmir Oliveira Da. Dignidade, cidadania e direitos humanos. XIX Encontro Nacional do Conpedi, p. 4975, 2010. CAVALCANTI, Tatiane Heloisa Martins. A autonomia municipal e seus limites na organização político-administrativa da República Federativa do Brasil. 2007. Tese de Doutorado. Dissertação de Mestrado apresentada em dezembro de 2007. UNIVALE. Itajaí. COSTA, Gabriela RV; MAIOR, IMML; LIMA, NM de. Acessibilidade no Brasil: uma visão histórica. III Seminário e II oficina Acessibilidade, TI e Inclusão digital. Faculdade de Saúde Pública/USP-São Paulo. Disponível em:< bauru. apaebrasil. org. br/arquivo. phtml, 2005. DAROS, E. J. O pedestre. ABRASPE, São Paulo, SP, 2000. DA SILVA, José Afonso. A dignidade da pessoa humana com valor supremo da democracia. Revista de direito administrativo, v. 212, p. 89-94, 1998. DE ALMEIDA, Eduardo Henrique Rodrigues. Dignidade, autonomia do paciente e doença mental. Revista bioética, v. 18, n. 2, 2010. DE ARAGÃO ARRAIS, Emanuelle; DE MELO, Ana Cristina Claudino; ANDRADE, Ana Virgínia Alvarenga. Espaços Públicos e suas Implicações: Um estudo sobre a cidade de Teresina/PI. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 5, n. 31, 2017. DE CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil. O longo caminho, v. 18, p. 18, 2001. DE LIMA, Francisco José. Áudio-descrição: orientações para uma prática sem barreiras atitudinais. Revista Brasileira de Tradução Visual, v. 2, n. 2, 2010. DE LIMA, Maria Regina Soares. Aspiração internacional e política externa. Revista Brasileira de Comércio Exterior, v. 82, p. 4-19, 2005. DE FIGUEIRÊDO LOPES, Laís Vanessa Carvalho. MESTRADO EM DIREITO. DE OLIVEIRA FORNASIER, Mateus; LEITE, Flavia Piva Almeida. Direitos fundamentais à acessibilidade e à mobilidade urbanas da pessoa com deficiência: uma abordagem sistêmico-autopoiética. Revista de Direito da Cidade, v. 8, n. 3, p. 908-933, 2016. DIAS, Maria Clara. Os direitos sociais básicos: uma investigação filosófica da questão dos direitos humanos. EDIPUCRS, 2004. DOS SANTOS, Wederson Rufino. Assistência social e deficiência no Brasil: o reflexo do debate internacional dos direitos das pessoas com deficiência. Serviço social em revista, v. 13, n. 1, p. 80-101, 2010. FERREIRA, Luiz Antonio Miguel. A inclusão da pessoa portadora de deficiência e o Ministério Público. Acesso em, v. 22, 2009. FONSECA, Ricardo Tadeu Marques da. A reforma constitucional empreendida pela ratificação da Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência aprovada pela Organização das Nações Unidas. A reforma constitucional empreendida pela ratificação da Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência aprovada pela Organização das Nações Unidas, 2013. GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil 1: esquematizado®. Saraiva Educação SA, 2017. HARARI, Yuval Noah. Sapiens: uma breve história da humanidade. L&PM, 2015. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Cidades. Acesso em 14 de Maio de 2019, disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/pombal/panorama JACKSON, Robert; SORENSEN, Georg. Introdução às relações internacionais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007. LUCENA, Francielle Henrique et al. Avaliação da acessibilidade para pessoas com deficiência na política de priorização de pedestre: um estudo de caso da área calma de Curitiba/PR. 2018. Dissertação de Mestrado. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. LUNARO, Adriana; FERREIRA, Marcos Antonio Garcia. Os espaços públicos e a questão da acessibilidade sob o ponto de vista dos idosos. Ciência & Engenharia, v. 14, n. 2, p. 67-72, 2005.,pók,komkokoko** MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. rev., ampl. e atual. São Paulo: Malheiros, 2014. MAGALHÃES, Marcos Thadeu Q.; RIOS, Mariana França; YAMASHITA, Yaeko. Identificação de padrões de posicionamento determinantes do comportamento dos pedestres. In: Anais do XVIII Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes. 2004. p. 999-1010 MAZZILLI, Hugo Nigro. O Ministério Público e a pessoa portadora de deficiência. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, p. 11, 2002. MEIRELLES, Hely Lopes, Direito Administrativo brasileiro. 11. ed. São Paulo : Revista dos Tribunais, 1985. p. 271-272 MELO, Getúlio Costa. Evolução histórica do conceito de cidadania e a Declaração Universal dos Direitos do Homem. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVI, n. 119, dez 2013. Disponível em: <http://www.ambito- juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=13959>. Acesso em abr 2019. MENCIO, Mariana et al. O regime jurídico da audiência pública na gestão democrática das cidades. 2007. NOBRE JÚNIOR, Edilson Pereira. O direito brasileiro e o princípio da dignidade da pessoa humana. id/496877, 2000. NUNES, Mônica Maria de Sousa Machado. A biblioteca pública universitária, acessibilidade e pessoas com deficiências físicas. 2010. NUNES, Telma Catarina Gonçalves. Adaptação de espaços públicos a pessoas com mobilidade condicionada: Idanha-a-Nova. 2013. Tese de Doutorado. ORTIS, Andrea et al. Acessibilidade no campus. Revista Txt, ano IV, n. 13, p. 12- 13, 2011. PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições do Direito Civil, 24ª edição. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2011. PIMENTA, Victor Hugo Ribeiro; DE ALMEIDA FARIA, Teresa Cristina. O ESTATUTO DA CIDADE E A POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: SUAS CONTRIBUIÇÕES NA FORMULAÇÃO DE CIDADES SUSTENTÁVEIS. PIOVESAN, Flavia. Ações afirmativas e direitos humanos. Revista USP, n. 69, p. 36-43, 2006. POMBAL. Lei nº 598, de 1985. Institui o Código de Urbanismo, integrado Plano de Desenvolvimento Urbano de Pombal. Disponível em: <https://www.pombal.pb.gov.br/codigo-de-urbanismo/>. Acesso em: 20 mai. 2019. POMBAL. Lei nº 1.398, d*e 14 de outubro de 2009. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso do Município de Pombal e dá outras providências. POMBAL. Lei nº 1.865, de março de 2019. ESTABELECE PRIORIDADE NO ATENDIMENTO EM ESTABELECIMENTOS PÚBLICOS E PRIVADOS, NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE POMBAL, ESTADO DA PARAÍBA. Disponível em: < https://www.pombal.pb.gov.br/lei-no-1-865-2019/>. Acesso em: 20 mai. 2019. POMBAL. Lei Orgânica Municipal, de 19 de setembro de 2002. Disponível em: < https://www.pombal.pb.gov.br/lei-organica-do-municipio/>. Acesso em: 20 mai. 2019. ROCHA, Fernando Luiz Ximenes. Direitos fundamentais na constituição de 88. THEMIS: Revista da Esmec, v. 1, n. 2, p. 109-123, 2016. SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: Acessibilidade total na cultura e no lazer. <http://www.cultura.pe.gov.br/wp- content/uploads/2016/12/Livro_Acessibilidade_Cap1.pdf> (2013). Acesso em 19.04.2019 SASSAKI, Romeu Kazumi. Pessoas com deficiência e os desafios da inclusão. Revista Nacional de Reabilitação, ano VIII, n. 39, 2004. SEABRA, Luciany Oliveira; TACO, Pastor Willy Gonzales; DOMINGUEZ, Emílio Merino. Sustentabilidade em transportes: do conceito às políticas públicas de mobilidade urbana. Revista dos Transportes Públicos-ANTP-Ano, v. 35, p. 2º, 2013. SEIXAS, Wilson Nóbrega. O Velho Arraial de Piranhas (Pombal) no centenário de sua elevação a cidade. Gráfica" A Imprensa", 1962. SILVA, Elizabet Leal; ZENNI, Alessandro Severino. Algumas considerações sobre o princípio da dignidade da pessoa humana. Revista Jurídica Cesumar-Mestrado, v. 9, n. 1, p. 201-222, 2009. SILVA, Geovany JA; ROMERO, Marta AB. Novos paradigmas do urbanismo sustentável no Brasil: a revisão de conceitos urbanos para o século XXI. In: Congresso Luso Brasileiro Para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado, Sustentável-Pluris. 2010. SOARES, Sandra; SANTOS, Vítor. A Declaração Universal dos Direitos Humanos e a sua actualidade na sociedade contemporânea. Instituto Político Viseu. Escola Superior de Educação de Viseu, 1992. VARGAS, Heliana Comin. Comércio, espaço público e cidadania. I Encontro da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, 2002. VENOSA, Silvio Savio de. Direito Civil Parte Geral Volume 1 4a Edição São Paulo ed. Editora Atlas SA, 2004. VIANA, Ana Amélia de Faria et al. Acessibilidade dos idosos brasileiros aos serviços odontológicos. RFO UPF, v. 15, n. 3, p. 317-322, 2010. VILLAÇA, Flávio. Dilemas do plano diretor. CEPAM. O município no século XXI: cenários e perspectivas. São Paulo: Fundação Prefeito Faria Lima–CEPAM, p. 237-247, 1999. VITAL, Flavia Maria de Paiva; QUEIROZ, Marco Antônio de. A Convenção sobre Direitos das Pessoas com Deficiência Comentada. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, p. 51 2008. Disponível em < http://www.faders.rs.gov.br/uploads/1340201893convencao_direitos_humanos_pess oascomdeficienciacomentada.pdf>. Acesso em: 21 abr. 2019.pt_BR
dc.title.alternativeThe lack of accessibility in the areas of common use of the people in the urban area of ​​Pombal - PB: an obstacle to pedestrian mobility.pt_BR
dc.identifier.citationTAVARES, Janser Alves. A falta de acessibilidade nas áreas de uso comum do povo na zona urbana de Pombal-PB: um obstáculo à mobilidade dos pedestres. Sousa: {s.n}, 2019. Monografia (Curso de Graduação em Direito) Centro de Ciências Jurídicas e Sociais, Universidade Federal de Campina Grande, 2019.pt_BR
Appears in Collections:Curso de Bacharelado em Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JANSER ALVES TAVARES - TCC Direito 2019.pdf669.85 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.