Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/11408
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creator.IDFERNANDES, K. J. S.
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2322481801328846pt_BR
dc.contributor.advisor1MOURA, Francivaldo Gomes.
dc.contributor.advisor1IDMOURA, F. G.
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8821642065282345pt_BR
dc.contributor.referee1SILVA, Iranilton Trajano da.
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5558600260214178pt_BR
dc.contributor.referee2MESQUITA, Maria de Lourdes.
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/3691373858863880pt_BR
dc.description.resumoEste estudo objetivou analisar o principio da não culpabilidade, seu peso e valor normativo, sua abrangência e também sua real determinação legal, também a origem, função e momento da pena. De forma a compreender qual das diversas decisões do Supremo Tribunal é de fato coerente com o que determina a Constituição. Algumas dessas decisões trouxeram grandes transtornos, bem como o momento histórico político no qual estão inseridas é bastante relevante, o que leva a suposições em todo o meio jurídico a cerca da parcialidade da Corte. Para tanto, foi analisado além da pesquisa bibliográfica, voltada a identificar de acordo com a doutrina majoritária e minoritária posicionamentos relevantes, a pesquisa documental basicamente utilizando-se dos acórdãos e julgados do Supremo Tribunal Federal nos quais percebe-se que por tratar-se de um assunto tão complexo não fora de fato decidido, já que até o presente momento e apesar se ter sido aguardado para o inicio de 2019, o julgamento do mérito das ADCs 43 e 44 do STF ainda encontra-se adiado. A partir da análise histórica e interpretativa dessas decisões foi possível perceber a importância de um colegiado mais aproximado da imparcialidade, voltado a decidir de acordo com a lege, interpretando de forma coerente com as possibilidades interpretativas sem excede-las nem muito menos desvia-las de seu real sentido. Enfim, com o objetivo de pesquisar o instituto da prisão em seu contexto processual penal e o momento da pena, também o princípio da não culpabilidade no contexto constitucional quanto ao momento da culpa, analisar-se a as decisões do Supremo Tribunal Federal sobre estes dois institutos legais de acordo com o que determina a Constituição Federal do Brasil. Para tanto serão os métodos histórico e interpretativo utilizados como procedimento enquanto que a revisão bibliográfica e documental como técnica de pesquisa utilizada.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentCentro de Ciências Jurídicas e Sociais - CCJSpt_BR
dc.publisher.initialsUFCGpt_BR
dc.subject.cnpqDireito Penalpt_BR
dc.titlePrisão em segunda instância: análise jurídica das decisões do Supremo Tribunal Federal.pt_BR
dc.date.issued2019-06-07
dc.description.abstractThis study aimed to analyze the principle of non-culpability, its weight and normative value, its scope and also its real legal determination, also the origin, function and moment of the sentence. In order to understand which of the several decisions of the Supreme Court is in fact coherent with what determines the Constitution. Some of these decisions brought great inconvenience, as well as the political momentum in which they are inserted is very relevant, which leads to assumptions in the whole legal environment about the partiality of the Court. For that, it was analyzed in addition to the bibliographical research, aimed at identifying, according to the majority and minority doctrine relevant positions, documentary research basically using the judgments and judgments of the Federal Supreme Court in which it is perceived that a matter so complex had not really been decided, since until the present moment and despite having been awaited for the beginning of 2019, the judgment of the merits of the ADCs 43 and 44 of the STF is still postponed. Based on the historical and interpretative analysis of these decisions, it was possible to perceive the importance of a collegiate closer to impartiality, which is to decide according to the law, interpreting in a coherent way the interpretative possibilities without exceeding them, much less deviating them from its real meaning. Finally, in order to investigate the institute of the prison in its criminal procedural context and the moment of the sentence, also the principle of not guilty in the constitutional context as to the moment of fault, to analyze the decisions of the Federal Supreme Court on these two legal institutes according to what determines the Federal Constitution of Brazil. For such, the historical and interpretative methods used as procedure will be used, while the bibliographic and documentary revision will be used as the research technique used.pt_BR
dc.identifier.urihttp://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/11408
dc.date.accessioned2020-01-31T12:58:27Z
dc.date.available2020-01-31
dc.date.available2020-01-31T12:58:27Z
dc.typeTrabalho de Conclusão de Cursopt_BR
dc.subjectCulpabilidadept_BR
dc.subjectPena
dc.subjectJulgados
dc.subjectInstituto da Prisão
dc.subjectGuilty
dc.subjectFeather
dc.subjectJudged Principle
dc.subjectInstitute of the Prison
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.creatorFERNANDES, Kelly Juliana de Sousa.
dc.publisherUniversidade Federal de Campina Grandept_BR
dc.languageporpt_BR
dc.relation.referencesARAGÃO, E. G.; ARAUJO, G. S.; SIQUEIRA NETO, J. F.; RAMOS FILHO, W. Vontade popular e democracia: candidatura Lula? Bauru: Praxis, 2018. AZAR FILHO, C. M.; FONSECA, M. P. Constituição, Estado e Direito. Rio de Janeiro: QualityMark, 2009. BANDEIRA, L. C. Do Direito Constitucional de recorrer em liberdade. Belo Horizonte: Del Rey, 2003. BARROSO, L. R. Ações Declaratórias de Constitucionalidade 43 e 44. Disponivel em: https://www.conjur.com.br/dl/voto-ministro-barroso-prisao-antes.pdf . Acesso em: 17 maio 2019. BRASIL. Superior Tribunal Federal. Disponível em: http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=10964246. Acesso em: 15 maio 2019. BRASIL. Superior Tribunal Federal. HC 152752 Processo Eletrônico Número Único: 0065386-58.2018.1.00.0000. Relator: Ministro Edson Fachin. DJ, 23 de fevereiro de 2018. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5346092. Acesso em: 07 abr. 2019. BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Disponível em: https://jurisprudencia.s3.amazonaws.com/STF/IT/HC_84078_MG_1278968985412.p df?Signature=loozi4cW64aX%2FBj7jDQhI3ZsOk0%3D&Expires=1557892198&AWS AccessKeyId=AKIARMMD5JEAO765VPOG&response-content- type=application/pdf&x-amz-meta-md5-hash=2e25b6f65c6892e533e2bf. Acesso em 15 maio 2019. BRASIL. Superior Tribunal Federal. Coordenadoria de Análise de Jurisprudência DJe nº 35. Disponível em: https://jurisprudencia.s3.amazonaws.com/STF/IT/HC_84078_MG_1278968985412.p df?Signature=TfG0uqDxe7pIqbzgZg7JWkn87i0%3D&Expires=1557805172&AWSAc cessKeyId=AKIARMMD5JEAO765VPOG&response-content-type=application/pdf&x- amz-meta-md5-hash=2e25b6f65c6892e533e2bf25. Acesso em: 14 maio 2019. CABRAL, G. M.; SEGUNDO, A. C.; MAIA, I. A; MATOS, R. S. Anais do encontro de pesquisa jurídica da XIII semana do direito da UFC. Fortaleza: Macuripe, 2018. CAPEZ, F. Curso de Processo Penal. São Paulo: Saraiva, 2018. CARNEIRO, C. S. O Direito da Integração Regional. Belo Horizonte: DelRey, 2007. CARVALHO, K. G. Direito Constitucional. Belo Horizonte: Del Rey, 2008. CARVALHO, S. D. Penas e Medidas de segurança no Direito Penal Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2015. CIPRIANO, B. R. Portal Conteudo Juridico. Considerações sobre o princípio da presunção de inocência, sua evolução no ordenamento jurídico brasileiro e a possível sensação de impunidade imposta pelo julgado do Habeas Corpus 84.78. Disponível em: http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,consideracoes- sobre-o-principio-da-presuncao-de-inocencia-sua-evolucao-no-ordenamento-juridico- brasileiro-e-a,45698.html. Acesso em: 28 abr. 2019. CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. CNJ Serviço: o que são as cláusulas pétreas. CUNHA, S. S. Princípios Constitucionais. São Paulo: Saraiva, 2013. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/87921-cnj-servico-o-que-sao-as- clausulas-petreas. Acesso em: 05 maio 2019. FILHO, V. G. Manual de Processo Penal. São Paulo: Saraiva, 2012. FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1999. GALVÃO, F. Direito Penal Curso Completo. Belo Horizonte: DelRay, 2007. GOMES, L. F. STF admite execução provisória da pena após dois graus de jurisdição. Disponível em: https://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/406361305/stf-admite-execucao- provisoria-da-pena-apos-dois-graus-de-jurisdicao-questoes-controvertidas-afeta-a- lava-jato. Acesso em: 16 maio 2019. GRECO, R. Curso de Direito Penal. Parte Geral. Niterói RJ: IMPETUS, 2017. JR, A. L. Direito Processual Penal. São Paulo: Saraiva, 2018. KYLE, L. D. Transação Penal: Revisão Crítica à Luz do Acesso à Justiça. Curitiba: Jurua, 2007. LENZA, P. Direito Constitucional Esquematizado. São Paulo, 2013. LIMA, R. B. Manual de Processo Penal. Salvador: JusPODIVM, 2016. MACHADO, R. Foucault. A ciência e o saber. Rio de Janeiro: Zahar, 2006. MARCÃO, R. Curso de Processo Penal. São Paulo: Saraiva, 2018. MARIANO, K. P.; BRESSAN, R. N.; LUCIANO, B. T. Eleições diretas no Parlamento Andino: a percepção popular sobre a integração regional. Rev. Carta Inter. 2016. MARQUES, I. L.; & Martini, J. I. Processo Penal III, Procedimentos e Prisão. São Paulo: Saraiva, 2012. MARTINES, F. Moro aplaude e Lenio lamenta: veja repercussão sobre decisão do Supremo. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2016-out-06/moro-aplaude- lenio-lamenta-veja-repercussao-decisao-stf. Acesso em: 18 maio 2019. MASSON, C. Direito Penal. Vol 1. Parte Geral. Rio de Janeiro: MÉTODO, 2013. MELLO, C. B. Curso de DIreito Administrativo. São Paulo: Malheiros, 2010. MELO, J. A. Direito Constitucional do Brasil. Belo Horizonte: Del Rey, 2008. MESSA, A. F.; ANDREUCCI, R. A.; HADDAD, D. W. Policía Fedral, Delegado e Agente. São Paulo: Saraiva, 2018. NUCCI, G. S. Manual de Processo Penal e Execução Penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007. PIMENTA, M. A. Direito Constitucional. Belo Horizonte: Del Rey, 2007. PINHO, R. R. Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2018. PINTO, A. C. Alma de Criminalista. São Paulo: Livraria e Editora Universitária de Direito, 2015. SANTOS, J. V.; ALENCAR JUNIOR, F. N. Garantia constitucional da presunção de inocência. Âmbito Jurídico. Disponível em: http://ambito- juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=17551. Acesso em: 05 maio 2019. SARLET, I. W.; MARINONI, L. G.; MITIDIERO, D. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012. SOUZA, P. Autópsia do medo. São Paulo: Globo, 2000. TÁVORA, N.; Alencar, R. R. Curso de Direito Processual Penal. Salvador: JusPODIVM. 2013. VIEIRA, O. V. A batalha dos poderes. São Paulo: Companhia das letras, 2018. WEDY, M. T. Eficiência e Prisões Cautelares. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013. ZAVASCKI, T. REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 964.246. Disponível em: http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=12095503. Acesso em: 18 maio 2019.pt_BR
dc.title.alternativeSecond Instance Prison: Legal Analysis of Supreme Federal Court Decisionspt_BR
dc.identifier.citationFERNANDES, Kelly Juliana de Sousa. Prisão em segunda instância: análise jurídica das decisões do Supremo Tribunal Federal. 2019. - Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais - Direito). Centro de Ciências Jurídicas e Sociais, Universidade Federal de Campina Grande. - Sousa/PB - Brasil 2019.pt_BR
Appears in Collections:Curso de Bacharelado em Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
KELLY JULIANA DE SOUSA FERNANDES - TCC DIREITO 2019.pdf353.75 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.