Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/168
Title: Identidades, diferenças e tensões: um estudo sobre o campesinato em contextos sociais rurais do Sul e no Nordeste brasileiro.
???metadata.dc.creator???: SCHENATO, Vilson Cesar.
???metadata.dc.contributor.advisor1???: BAPTISTA, Mércia Rejane Rangel.
???metadata.dc.contributor.referee1???: GOMES, Ramonildes Alves.
???metadata.dc.contributor.referee2???: CUNHA, Luís Henrique.
???metadata.dc.contributor.referee3???: RAMOS, Nezire Laurentino.
???metadata.dc.contributor.referee4???: SILVA, Anieres Barbosa da.
Keywords: Campesina e Identidades;Sociologia Rural;Camponeses;Camponese - Nordeste;Camponeses - Região Sul;Assentamentos Rurais;Resistência Camponesa;Peasantry
Issue Date: 2014
Publisher: Universidade Federal de Campina Grande
Citation: SCHENATO, Vilson Cesar. Identidades, diferenças e tensões: um estudo sobre o campesinato em contextos sociais rurais do Sul e do Nordeste brasileiro. 2014. 331f. (Tese de Doutorado em Ciências Sociais). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Centro de Humanidades, Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande - Paraíba - Brasil, 2014.
???metadata.dc.description.resumo???: Esta pesquisa ora apresentada tem como tema mais geral o estudo do campesinato em duas regiões distintas do Brasil. Buscou-se conhecer como se processam as relações sociais e identitárias entre os assentados do Assentamento Bela Vista, com seus vizinhos e demais agentes sociais não-assentados do município de Esperança, no Agreste da Paraíba, fazendo um paralelo com as relações sociais e identitárias envolvendo os assentados do Assentamento Colônia Esperança e os colonos da Linha São Roque, no município de Cascavel, no Oeste do Paraná. Para tanto, num primeiro momento, discutiu-se sobre campesinato e identidades, em seguida os processos sóciohistóricos mais amplos, e em um segundo momento, buscou-se ressaltar a capacidade de agência e resistência dos que lutam pela terra e para continuar nela, ao operarem com a dialética entre a moral camponesa e as escolhas futuras, entre os iguais e os desiguais, entre coletivos e individuais, entre identidades e diferenças estabelecidas com os “outros” e entre eles mesmos. Em síntese, o estudo teve como objetivo principal compreender o processo de construção de identidades sociais e as relações que se estabelecem entre os assentados, com os seus diversos “outros”. As hipóteses iniciais deram conta de que as identidades de colonos e assentados, construídas historicamente, são as chaves para o entendimento das relações sociais e identitárias do presente no Sul do país. No Agreste paraibano a identidade sociopolítica dos assentados, está atrelada às relações de patronagem e dependência de um passado recente, com suas continuidades e rupturas no presente. Mesmo entre distintas regiões, existem aproximações entre os contextos sociais a que estão referidos os distintos camponeses, capazes de resistir e agir em meio a limites, possibilidades e nas relações com seus diversos “outros”. O caminho metodológico conjugou a observação participante, entrevistas orais e o diário de campo. Nos dois casos de assentamentos estudados, por meio do recurso à memória, foi possível analisar as identidades reconstruídas e (re) significadas de acordo com as “lutas” do presente. Os assentamentos rurais foram aqui entendidos enquanto espaços sociais e simbólicos que geram novas dinâmicas, alterando os territórios e suas teias de relações sociais. Entre os resultados obtidos, destacam-se o conhecimento das diferenças dos dois campesinatos específicos no tocante as suas lutas, conquistas, projetos, realizações diversas, nas formas de acessar e usar a terra, no acesso às políticas públicas, nas dificuldades enfrentadas para a reprodução social e na construção social das suas identidades e diferenças. Apesar de partilharem uma identidade camponesa mais geral, com referências aos valores morais e sociais (terra, trabalho, família e autonomia), esta se concretiza de maneira diversa e com referência às especificidades dos contextos locais de interação onde se desenrolam os jogos sociais.
Abstract: The research presented here is the study of the peasantry into two distinct regions of Brazil. We attempted to understand how himself process social identity and relations between assentados Bela Vista settlement with its neighbors and other social agents non-assentados of the city of Esperança, in the Agreste of Paraiba, drawing a parallel with social identity and relationships involving assentados Settlement of the Colonia Esperança and colonos from Linha São Roque, of the city of Cascavel in western Paraná. For this, at first it was discussed peasantry and identities, then the wider sociohistorical processes, and in a second time, we sought to highlight the capacity of the agency and resistance of those who fight for land and to keep her, to operate with the dialectic between the moral peasant and future choices between equal and unequal, between collective and individual, between identities and differences established with the "other" and among themselves. In summary, the study aimed to understand the process of constructing social identities and relationships that are established between the assentados, with their various "others". Initial hypotheses realized that the identities of colonos and assentados, historically constructed, are the keys to understanding the social relations and identity of the present in the South the contry. In Paraiba Agreste the sociopolitical identity of the assentados, is linked to the relations of patronage and dependence of the one recent past, with its continuities and ruptures in the present. Even among different regions, there are similarities between the social contexts to which they are referred to the various peasants, able to resist and act amid limits and possibilities and relations with their various "other".The methodological approach has combined participant observation, oral interviews and the field diary. In both cases the settlements studied, via resort to memory was analyzed the reconstructed identities and (re) signified according to the "struggles" of the present. The rural settlements were here understood as social and symbolic spaces that generate new dynamics by altering territories and their webs of social relations. Among the results, stands out the knowledge of the differences of the two specific peasantries regarding their struggles, achievements, projects, various achievements, ways to access and use land, access to public policy, the difficulties for reproduction social and the social construction of their identities and differences. Despite sharing a peasant identity more general with references to moral and social values (land, labor, family and autonomy), this is done in different ways and with reference to the specifics of local contexts of interaction where social games unfold.
Keywords: Campesina e Identidades
Sociologia Rural
Camponeses
Camponese - Nordeste
Camponeses - Região Sul
Assentamentos Rurais
Resistência Camponesa
Peasantry
???metadata.dc.subject.cnpq???: Ciências sociais
Sociologia rural
URI: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/168
Appears in Collections:Doutorado em Ciências Sociais.

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
VILSON CESAR SCHENATO - TESE PPGCS 2014.pdfVilson Cesar Schenato - Tese PPGCS 20143.26 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.