Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/17921
Title: Socioantropologia da pesca artesanal no rio Tapajós: regime de informação enquanto regime de vida em uma vila de pescadores no lago do Juá, Santarém (PA).
Other Titles: Socioanthropology of artisanal fishing on the Tapajós river: information regime as a life regime in a fishing village on Lake Juá, Santarém (PA).
???metadata.dc.creator???: SILVA, Dárnisson Viana.
???metadata.dc.contributor.advisor1???: GRUNEWALD, Rodrigo de Azeredo.
???metadata.dc.contributor.referee1???: CUNHA , Luís Henrique Hermínio.
???metadata.dc.contributor.referee2???: BATISTA , Mércia Rejane Rangel.
???metadata.dc.contributor.referee3???: VALLE , Carlos Guilherme Octaviano do.
???metadata.dc.contributor.referee4???: LUSTOSA, Ísis Maria Cunha.
Keywords: Regime de Informação;Saberes Tradicionais;Regime de Vida;Pesca Artesanal;Estratégias de Vida;Information Regime;Traditional Knowledge;Life Regime;Artisanal Fishing;Life Strategies
Issue Date: 10-Sep-2020
Publisher: Universidade Federal de Campina Grande
Citation: SILVA, D. V. Socioantropologia da pesca artesanal no rio Tapajós: regime de informação enquanto regime de vida em uma vila de pescadores no lago do Juá, Santarém (PA). 2020. 118 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Centro de Humanidades, Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba, Brasil, 2020.
???metadata.dc.description.resumo???: O presente estudo aborda uma comunidade de pescadores artesanais ribeirinhos situados à margem direita do Rio Tapajós nas proximidades da cidade de Santarém, no oeste do Estado do Pará. A localidade onde residem estes pescadores e do qual reproduzem seus modos de vida culturais integra um complexo ambiental descrito na Lei municipal nº 19.206 de 28 de dezembro de 2012 que define essa área como “Área de Proteção Ambiental do Parque do Juá”. Embora a lei mencionada configura a intenção dos orgãos competentes de ordenar a ocupação das terras, preservar o patrimônio natural e assegurar o bem estar das populações humanas que ali vivem, a observância do estudo identificou que a área, correspondente à 126,3465 ha, tem sofrido impactos severos em decorrência de transformações socioambientais bruscas nos arredores e no próprio Lago do Juá que constitui o parque. Tais danos ambientais como o assoreamento do lago, supressão da mata ciliar, alteração na temperatura da água e impacto na reprodução de espécies de peixes, estão relacionados à muitos problemas, dentre eles, grandes desmatamentos numa ocupação irregular em Áreas de Preservação Permanente, as APPs do Juá e o do Rio Tapajós, obras de loteamentos imobiliários de grande porte, como o Residencial Cidade Jardim (Buriti Imóveis) e o Residencial Salvação (Minha Casa, Minha Vida), e de modo mais amplo os cercos de uma política econômica local atrelada à demanda de uma infraestrutura voltada ao escoamento de grãos e subsidiada pela multinacional Cargill Agrícola S.A que interferem na produção e uso de territórios urbanos e rurais no município de Santarém. Em meio a este contexto de ameaça aos recursos de subsistência dos usuários do lago, viu-se a necessidade de aprofundamento da caracterização da populaçao residente do Lago do Juá, por meio de um sistemático estudo etnográfico, ou seja, uma longa estadia em meio aos pesquisados afim de registrar modos peculiares de conhecer seus ambientes, o que designamos aqui de regimes de informação enquanto regimes de vida. A metodologia adotada se insere na perspectiva teórica da socioantropologia da pesca, segundo Diegues (1999a), um campo de conhecimento específico direcionado a estudar sociedades haliêuticas no Brasil em diversos contextos levantando dados qualitativos, quantitativos e análise de conflitos. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas, coleta de depoimentos orais, registros imagéticos e imersão de campo no período de dois anos entre os pescadores desta localidade. O resultado foi a descrição de um extenso inventário de procedimentos ambientais e de saberes ecológicos tradicionais que vinculam uma história particular de trajetos, caminhadas, assentamentos históricos e territorialidades específicas que configuram um modo de vida tradicional e o que algumas autoras vêm chamando de ribeirinidade amazônica.
Abstract: This study addresses a community of artisanal fishermen located on the right side of the Tapajós River near the city of Santarém, in the west side of Para’s state. The locality where these fishermen reside and from which they reproduce their cultural ways of life is part of an environmental complex described in Law nº. 19.206 of December 28, 2012 that defines this area as the “Environmental Protection Area of Parque do Juá”. Although the law mentioned constitutes the intention of the competent bodies to order the occupation of the land, preserve the natural heritage and ensure the well-being of the human populations that live there, the observance of the study identified that the area, corresponding to 126.3465 ha, has suffered severe impacts due to abrupt socio-environmental transformations in the surroundings and in the Lake of Juá itself that constitutes the park. Such impacts as the silting of the lake, suppression of riparian forest, change in water temperature and impact on the reproduction of fish species, are related to many problems, among them, large deforestation in an irregular occupation in Permanent Preservation Areas, APPs of Juá and Tapajós River, construction of large real estate allotments, such as Residencial Cidade Jardim (Buriti Imóveis) and Residencial Salvação (Minha Casa, Minha Vida), and more broadly the sieges of a local economic policy tied to the demand for an infrastructure focused on grain disposal and subsidized by the multinational Cargill Agrícola S.A that interfere with the production and use of urban and rural territories in the municipality of Santarém. In the midst of this context of threat to the subsistence resources of the lake users, we saw the need to deepen the characterization of the resident population of Lake of Juá, through a systematic ethnographic study, that is, a long stay among the researched in order to record peculiar ways of knowing their environments, what we call information regimes while regimes of living. The methodology adopted is part of the theoretical perspective of fisheries socioanthropology, according to Diegues (1999a) a specific field of knowledge aimed at studying fish societies in Brazil in various contexts by collecting qualitative, quantitative and conflict analysis data. The result was the description of an extensive inventory of environmental procedures and traditional ecological knowledge that link a particular history of paths, walks, historical settlements and specific territorialities that configure a traditional way of life and what some authors have rehearsed to call ribeirinidade amazônica.
Keywords: Regime de Informação
Saberes Tradicionais
Regime de Vida
Pesca Artesanal
Estratégias de Vida
Information Regime
Traditional Knowledge
Life Regime
Artisanal Fishing
Life Strategies
???metadata.dc.subject.cnpq???: Ciências Sociais
URI: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/17921
Appears in Collections:Doutorado em Ciências Sociais.

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DÁRNISSON VIANA SILVA – TESE (PPGCS) 2020.pdf8.49 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.