Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/4445
Title: Ecofisiologia da aceroleira irrigada com água salina sob doses de nitrogênio e fósforo.
Other Titles: Ecophysiology of the west indian cherry irrigated with saline water under doses of nitrogen and phosphorus.
???metadata.dc.creator???: SÁ, Francisco Vanies da Silva.
???metadata.dc.contributor.advisor1???: GHEYI, Hans Raj.
???metadata.dc.contributor.advisor2???: LIMA, Geovani Soares de.
???metadata.dc.contributor.referee1???: LACERDA, Claudivan Feitosa de.
???metadata.dc.contributor.referee2???: NOBRE, Reginaldo Gomes.
???metadata.dc.contributor.referee3???: CAVALCANTE, Lourival Ferreira.
???metadata.dc.contributor.referee4???: AZEVEDO, Carlos Alberto Vieira de.
Keywords: Malpighia emarginata;Irrigação Agrícola;Fisiologia Vegetal;Nutrição Mineral;Estresse Salino;Irrigation;Plant Physiology;Mineral Nutrition;Saline Stress
Issue Date: 20-Feb-2018
Publisher: Universidade Federal de Campina Grande
Citation: SÁ, F. V. da S. Ecofisiologia da aceroleira irrigada com água salina sob doses de nitrogênio e fósforo. 2018. 149 f. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola, Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba, Brasil, 2018.
???metadata.dc.description.resumo???: A aceroleira exerce importância socioeconômica no Brasil, devido ao elevado teor de ácido ascórbico do fruto, o que justifica ser cultivada nacionalmente, principalmente na região Nordeste, onde os problemas de salinidade da água são frequentes. Assim, a adoção de técnicas de manejo da adubação mieneral com nitrogênio e fósforo pode mitigar os efeitos deletérios do estresse salino às planatas. Pelo exposto, objetivou-se com esse trabalho avaliar os efeitos da interação entre a salinidade da água de irrigação e as proporções de fósforo e nitrogênio sobre o comportamento vegetativo, fisiológico, nutricional e produtivo da aceroleira cv. BRS 366 Jaburu enxertada em variedade Criola. O experimento foi desenvolvido em ambiente protegido, em lisímetros com Neossolo Regolítico; o delineamento foi o de blocos casualizados com os tratamentos arranjados em esquema fatorial 5 x 4, referente aos níveis níveis de condutividade elétrica da água de irrigação - CEa (0,6; 1,4; 2,2; 3,0 e 3,8 dS m-1) e quatro proporções percentuais de fósforo e nitrogênio P/N (100:100; 140:100; 100:140 e140:140% P/N), com três repetições. As plantas de acerola foram avaliadas quanto ao crescimento, fisiologia, composição foliar de macronutrientes e sódio e componentes de produção. O estado hídrico, o crescimento e as trocas gasosas da aceroleira foram influenciados pela interação salinidade e adubação durante os primeiro 45 dias após irrigação com águas de salinidade crescente, tendo a proporção 100:140% P/N proporcionado os melhores resultados. Com a idade das plantas, houve estabilização do crescimento da fase vegetativa (redução das taxas de crescimento), componentes fisiológicos e até da produção, não respondendo à adubação, e com comprometimento da condutância estomática e taxa de assimilação de CO2 das plantas irrigadas com águas de salinidades superiores a 2,2 dS m-1. O teor de clorofila a diminuiu, o da clorofila b e dos carotenoides aumentou entre as plantas que receberam incrementos na adubação, até a salinidade de 3,0 dS m-1. Entretanto, os efeitos danosos do estresse salino sobre a fluorescência da clorofila a foram mitigados pelo incremento de 40% a mais na recomendação de adubação de P xvi e N para as plantas irrigadas com águas de até 3,0 dS m-1, principalmente pelo incremento da adubação nitrogenada. Com o aumento da salinidade da água e do teor de sódio nos tecidos foliares, foi verificada redução no teor de fósforo apenas nas plantas que receberam 100% da recomendação de adubação de P e N. O aumento da salinidade da água a partir de 0,6 dS m-1reduziu a produção de acerola das plantas que receberam apenas a recomendação de adubação P e N. O incremento de 40% na adubação fosfatada sobre o nitrogênio (140:100% P/N) estimulou a emissão de frutos pelas plantas. A adubação com os maiores valores de da proporção P/N promoveu a maior produção até mesmo pelas plantas irrigadas com a água de salinidade de 3,0 dS m-1.
Abstract: The west indian cherry plant tree exerts socioeconomic importance in Brazil, due to the high ascorbic acid content of the fruit, which justifies being cultivated nationally, mainly in the Northeast region, where water salinity problems are frequent. Thus, the adoption of management techniques of nitrogen fertilization with nitrogen and phosphorus can mitigate the deleterious effects of saline stress on the plantation. The objective of this study was to evaluate the effects of the interaction between the salinity of irrigation water and the proportions of phosphorus and nitrogen in growth vegetative, physiological, nutritional and productive west indian cherry cv. BRS 366 Jaburu grafted in the Criola variety. The experiment was carried out in a protected environment, in lysimeters with Neosol Regolítico; the design was randomized blocks with the treatments arranged in a 5 x 4 factorial scheme, referring to the levels of electrical conductivity of the irrigation water - CEa (0.6, 1.4, 2.2, 3.0 and 3, 8 dS m-1) and four percent proportions of phosphorus and nitrogen P/N (100:100, 140:100, 100:140 and 140:140% P/N), with three replicates. The west indian cherry plants were evaluated for growth, physiology, leaf composition of macronutrients and sodium and production components. The salinity and fertilization interaction during the first 45 days after irrigation with increasing salinity waters was influenced by the salinity, growth and gas exchange conditions in west indian cherry. The proportion was 100: 140% P/N, which provided the best results. At the age of the plants, there was stabilization of the vegetative phase growth (reduction of the growth rates), physiological components and even of the production, not responding to the fertilization, and with compromise of the stomatal conductance and CO2 assimilation rate of the plants irrigated with water salinity greater than 2,2 dS m-1. The chlorophyll a decreased, chlorophyll b and carotenoids increased among the plants that received fertilization increments until the salinity of 3.0 dS m-1. However, the harmful effects of saline stress on chlorophyll a fluorescence were mitigated by a 40% increase in the recommended P and N fertilization for plants irrigated with water up to 3.0 dS m-1, mainly due to the increase. xviii With the increase of water salinity and sodium content in leaf tissues, a reduction in the phosphorus content was observed only in the plants that received 100% of the fertilization recommendation of P and N. The increase of the salinity of the water from 0.6 dS m-1 reduced the cherry production of the plants that received only the P and N fertilization recommendation. The 40% increase in phosphorus fertilization on nitrogen (140:100% P/N) stimulated the emission of fruits plants. Fertilization with the highest values of the P/N proportion promoted the highest production even by the plants irrigated with the salinity water of 3.0 dS m-1.
Keywords: Malpighia emarginata
Irrigação Agrícola
Fisiologia Vegetal
Nutrição Mineral
Estresse Salino
Irrigation
Plant Physiology
Mineral Nutrition
Saline Stress
???metadata.dc.subject.cnpq???: Engenharia Agrícola
Irrigação e Drenagem
URI: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/4445
Appears in Collections:Doutorado em Engenharia Agrícola.

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FRANCISCO VANIES DA SILVA SÁ – TESE (PPGEA) 2018.pdf2.29 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.