Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/9166
Title: A voz do rapsodo e a construção da imagem da luta coletiva em letras de canções de Vandré.
Other Titles: The voice of rhapsode and the construction of the image of collective struggle in Vandré song lyrics.
???metadata.dc.creator???: OLIVEIRA, Amauri Morais.
???metadata.dc.contributor.advisor1???: SOUSA, Elri Bandeira de.
???metadata.dc.contributor.referee1???: MEDEIROS, Lígia Regina Calado de.
???metadata.dc.contributor.referee2???: BORGES, Maryson José Siqueira.
Keywords: Canção;Vandré;Geraldo - canções;Música;Hibridismo;Song;Geraldo - Songs;Music;Hybridism
Issue Date: 27-Apr-2015
Publisher: Universidade Federal de Campina Grande
Citation: OLIVEIRA, Amauri Morais. A voz do rapsodo e a construção da imagem da luta coletiva em letras de canções de Vandré. 2016. 64f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Estudos Literários) - Centro de Formação de Professores, Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras, Paraíba, Brasil, 2016.
???metadata.dc.description.resumo???: Este trabalho analisa canções (apenas letras) de Geraldo Vandré e possíveis características épicas. Quatro músicas integram o corpus do trabaho: ―Disparada‖, ―Cantiga brava‖, ―Arueira‖, e ―Prá não dizer que não falei das flores (caminhando). Levantei a seguinte hipótese: a presença de ecos do épico no corpus analisado, aproximando a voz da canção ao rapsodo. A análise terá apoio em teorias que discutem o hibridismo dos gêneros literários. A possibilidade deste tipo de análise se dá porque as teorias têm por objetos narrativos, e as canções de Vandré, pelo menos boa parte delas, apresentam um ―narrador‖, que denominei de rapsodo. Sobre o hibridismo é válido dizer que existe dois níveis: um estrutural e um conceitual. Faço uma definição do herói épico: utilizo a teoria de Lukács (2009), algumas asserções de Flávio Kothe (1987) e um artigo de Arturo Gouveia (2007). Também realizei um breve levantamento de algumas características que podem ser consideradas épicas, mesmo no nosso mundo moderno: a luta coletiva contra a força opressora do capital é uma dela (CABRAL, 2000). Há ainda a contribuição de Rosenfeld (1996), que discute características do típico herói épico e do herói moderno. O primeiro é a-histórico, mitológico; já o segundo tende a ser historicista. Contextualizei a música de Vandré na época histórica em que se situa. Isso ajuda a entender melhor como se podem encontrar ecos do épico nas canções. Ideal este influenciado pelas condições adversas e a falta de liberdade típicas da ditadura militar deflagrada em 1964. A análise tem dois vieses diferentes, porém ambos convergem: o épico e o político. Procuro mostrar, na análise das letras, como a mistura desses dois elementos (político e épico) se complementam para defender os argumentos levantados aqui. Os principais teóricos que embasam este trabalho são Bakhtin (2003), Staiger (1975), Lukács (2009), Kothe (1987), Rosenfeld (1996) e Ramalho (2013).
Abstract: This work analyzes Geraldo Vandré's songs (lyrics only) and possible features epic. Four songs are part of the corpus of the work: “Disparada”, “Canteiga brava”, “Arueira,” and “Not to say I didn't talk about flowers (walking). I raised the following hypothesis: the presence of echoes of the epic in the analyzed corpus, bringing the voice closer to rhapsode. The analysis will be supported by theories that discuss the hybridism of literary genres. THE This type of analysis is possible because theories have narrative objects and Vandré's songs, at least most of them, feature a “narrator,” whom I called rhapsode. On hybridity it is valid to say that there are two levels: one structural and one conceptual. I make a definition of the epic hero: I use the theory of Lukács (2009), some Flavio Kothe's assertions (1987) and an article by Arturo Gouveia (2007). I also performed a brief survey of some characteristics that can be considered epic, even in the our modern world: the collective struggle against the oppressive force of capital is one of them (CABRAL, 2000). There is also the contribution of Rosenfeld (1996), who discusses characteristics the typical epic hero and the modern hero. The first is ahistorical, mythological; already the second tends to be historicist. I contextualized Vandré's music in the historical era in which it is located. This helps to better understand how echoes of the epic can be found in the songs. Ideal this influenced by the adverse conditions and lack of freedom typical of the military dictatorship triggered in 1964. The analysis has two different biases, but both converge: the epic and the politician. I try to show, in the analysis of the letters, how the mixture of these two elements (political and epic) complement each other to defend the arguments raised here. The The main theorists that support this work are Bakhtin (2003), Staiger (1975), Lukács (2009), Kothe (1987), Rosenfeld (1996) and Ramalho (2013).
Keywords: Canção
Vandré
Geraldo - canções
Música
Hibridismo
Song
Geraldo - Songs
Music
Hybridism
???metadata.dc.subject.cnpq???: Letras.
URI: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/9166
Appears in Collections:Especialização em Estudos Literários

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AMAURI MORAIS OLIVEIRA. TCC. ESP. EM ESTUDOS LITERÁRIOS. 2016.pdfAmauri Morais Oliveira. TCC. ESP. em Estudos Literários. 2016. 487.92 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.