Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/9321
Title: Indústria incentivada no Nordeste brasileiro: considerações sobre alguns impactos econômicos, sociais e ambientais.
Other Titles: Encouraged industry in the Brazilian Northeast: considerations on some economic, social and environmental impacts.
???metadata.dc.creator???: ALMEIDA, José Elesbão de.
???metadata.dc.contributor.advisor1???: ARAÚJO, José Bezerra de.
???metadata.dc.contributor.referee1???: TEIXEIRA, Olívio Alberto.
???metadata.dc.contributor.referee2???: CLEMENTINO, Maria do Livramento Miranda.
Keywords: Indústria Incentivada;Crescimento Econômico;Urbanização;Poluição Industrial;Impactos Econômicos;Impactos Sociais;Encouraged Industry;Economic Growth;Urbanization;Industrial Pollution;Economic Impacts;Social Impacts;Environmental Impacts
Issue Date: 19-Dec-2001
Publisher: Universidade Federal de Campina Grande
Citation: ALMEIDA, José Elesbão de. Indústria incentivada no Nordeste brasileiro: considerações sobre alguns impactos econômicos, sociais e ambientais. 2001. 116f. (Dissertação) Mestrado em Economia Rural e Regional, Programa de Pós-graduação em Economia Rural e Regional, Centro de Humanidades, Universidade Federal da Paraíba – Campus II - Campina Grande - Paraíba - Brasil, 2001.
???metadata.dc.description.resumo???: Este trabalho pretende fazer um breve diagnostico sobre alguns impactos econômicos, sociais e ambientais provocados pela industrialização incentivada pela SUDENE no Nordeste brasileiro, no período compreendido entre 1970 e 1990. Pretendeu-se trocar um perfil das industrias que se instalaram na região via incentivos institucionais, principalmente, dos segmentos de bens intermediários - com particular enfase para os ramos industriais da química, metalurgia, minerais não-metálicos, materiais elétrico e de comunicações e papel e papelão, os quais encontram-se entre os setores que mais se beneficiaram do sistema de incentivos - na perspective de avaliar sucintamente as mudanças ocorridas na estrutura produtiva da economia nordestina e o impacto dessas mudanças sobre a estrutura socioeconômica regional, sobretudo, no que respeita a questão da urbanização e as mudanças nas relações sociais de produção e de trabalho, alem da dimensão social e ambiental. Partiu-se de uma ampla revisão sobre boa parte da literatura que trata com austeridade da questão nordestina e de uma minuciosa revista e analise de dados secundários compilados pela SUDENE no período em estudo. Constatou-se, portanto, que no referido período, a economia nordestina passou por um conjunto de transformações bastante significativas na sua base produtiva, notadamente, no que se refere ao crescimento industrial, o que Ihe proporcionou um crescimento exponencial do produto por habitante, Alem disso, verificou-se também uma mudança radical nas relações sociais de produção e de trabalho. No entanto, pode-se empreender que o modelo de industrialização que se implantou na região, longe do que foi preconizado pela ação planejada do Estado, não passou de uma extensão do paradigma da industrialização que se expandia aceleradamente a partir da região Sudeste do pais, a busca de ocupação dos espaços vazios e a procura de novas brechas de acumulação de capital propiciadas pelas vantagens locacionais. Assim, a nova industrialização alem de ocorrer de forma concentrada, tanto em nível setorial quanto espacial, concorreu diretamente para o aumento da concentração de renda e para a aceleração do processo de urbanização na região. Com efeito, o extraordinário crescimento econômico verificado no período, não se traduziu proporcionalmente na melhoria das condições de vida da população regional, senão de forma marginal. Alem disso, os segmentos industriais mais privilegiados pelo mecanismo dos incentivos fiscais e financeiros, entre os quais se sobressaem os ramos da química, metalurgia e minerais não-metálicos, além de não gerarem emprego em nível satisfatório, deixaram a margem a preocupação com a questão ambiental, caracterizando-se, portanto, como mais intensivos em tecnologia e energia elétrica, mais intensivos em recursos naturais renováveis e não-renováveis e, em consequência, mais poluidores do meio ambiente e industrialmente mais sujos.
Abstract: This work intends to make a brief diagnostic on some economical, social and environmental impacts caused by SUDENE industrialization in the northeast of Brazil, in the period of 1970 and 1990. We intended to trace the profile of the companies installed in that region via institutional incentives, especially, the segments of intermediate properties - with particular emphasis to chemistry industries, metallurgy, non-metallic minerals, electric materials, communications and paper, in fact, those segments were extremely pleased by those kinds of incentives - in order to evaluate the changes occurred in the productive structure of northeast economy and the impact of those changes in socioeconomic regional structure, mainly, concerned the urbanization matters and social and environmental dimensions. First, we reviewed the literature that treats on austerity in the northeast matters and a detailed analysis of secondary data compiled by SUDENE in the period of the study. We realized, thus, that during this period, the northeast economy passed through a set of very significant changes in its productive basis, essentially, concerning its industrial increase that provided an exponential development of the product per inhabitant. Furthermore, we realized a radical change in social relations of production and work. However, we could perceive that this industrialization pattern implanted in the northeast of Brazil, far from what was aimed by State actions is merely an extension of the industrialization paradigm that expended rapidly in the southeast of the country, pursuing occupations of places and new spaces to accumulate capital granted by local advantages. Thus, the new industrialization, in local and spatial way, occurred in a concentrated way, in which, concurred directly to an increase of income to accelerate the progress of urbanization in the region. In fact, this extraordinary economical development verified in the period have not improved better life conditions for regional population. Furthermore, the most privileged industrial segments by government incentives, especially in chemistry, metallurgy, and non-metallic industries, have not created jobs in a satisfactory level and establish concerns related to environmental problems, considering that, the material used intensively in technology and electrical energy, in non-renewable and natural resources and, consequently, more polluters in the environment and, industrially, more dirty.
Keywords: Indústria Incentivada
Crescimento Econômico
Urbanização
Poluição Industrial
Impactos Econômicos
Impactos Sociais
Encouraged Industry
Economic Growth
Urbanization
Industrial Pollution
Economic Impacts
Social Impacts
Environmental Impacts
???metadata.dc.subject.cnpq???: Economia Regional e Urbana
Economias Agrária e dos Recursos Naturais
URI: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/9321
Appears in Collections:Mestrado em Economia Rural e Regional.

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JOSÉ ELESBÃO DE ALMEIDA - DISSERTAÇÃO PPGERR 2001.pdfJosé Elesbão de Almeida - Dissertação PPGERR 2001.15.58 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.